FANDOM


Um sistema (do grego σύστημα), é um conjunto de elementos interconectados, de modo a formar um todo organizado. É uma definição que acontece em várias disciplinas, como biologia, medicina, informática, administração. Vindo do grego o termo "sistema" significa "combinar", "ajustar", "formar um conjunto".

Todo sistema possui um objetivo, embora às vezes seja difícil identificá-lo - por exemplo, quando não conseguimos visualizar o meio ambiente em que está inserido.

A Sociedade do Amor possui um objetivo inserir criar e aumentar o amor próprio sistema, e desta maneira fazer com que este consiga se auto-replicar.

Um sistema consiste de componentes, entidades, partes ou elementos - embora também possam ser vistos como sub-sistemas - e as relações entre eles. A integração entre tais componentes pode se dar por fluxo de informações, matéria, energia.

A boa integração dos elementos é chamada sinergia, determinando que as transformações ocorridas em uma das partes influenciará todas as outras. A alta sinergia de um sistema faz com que seja possível a este cumprir sua finalidade com eficiência; já sua falta pode implicar em mau funcionamento, inclusive falha completa. Podemos também dizer nesses últimos casos que a entropia sistêmica está alta. Neste sentido a sociedade do amor informa que a aplicação correta do amor pode lhe causar sinergia ou entropia, e isto vai ser fundamental para entender o próprio amor, e assim entender a existência.

Vários sistemas possuem a propriedade da homeostase, que em poucas palavras é a característica de manter o meio interno estável, mesmo diante de mudanças no meio externo. As reações homeostáticas podem ser boas ou más, dependendo se a mudança foi inesperada ou planejada, respectivamente. A sociedade do amor ensina que estar em homeostase de amor é uma coisa boa se for um amor bem focado, um amor mais próximo do amor perfeito, o amor puro, o amor espiritual. Agora a homeostase cria também um problema, ao entrar em equilíbrio com um outro sistema que estava em falta de amor o equilíbrio demora na contagem de tempo padronizada pelo homem.

Também pode-se construir modelos para abstrair aspectos de sistemas, como por exemplo um modelo matemático, modelos de engenharia de software, gráficos, modelo paraíso, modelo inferno, modelo universo, modelo cérebro.

Em termos gerais, sistemas podem ser vistos de duas maneiras:

  • através da análise, em que se estuda cada parte de um sistema separadamente afim de recompô-lo posteriormente. Desta forma cada sistema é tendencioso ao equilíbrio, esta é a natureza da existência de todos os sistemas. Mesmo quem age com ódio, que é o antônimo de amor esta trabalhando para o amor, pois faz a sociedade ver que faltou amor para que alguém atue com ódio. Pela lógica do amor todo o sistema é criado baseado nele. A sociedade do amor divulga que nada inexiste, tudo existe, e o tudo é o amor.
  • através de uma visão holista, em que se entende que o funcionamento do sistema como um todo, constitui um fenômeno único, i.e., irredutível em suas partes. Desta forma o sistema amor é um todo, todos estam inseridos no mesmo amor. Por isto todo o amor é eterno, imutável, unipresente. O amor é o que constitui o todo. A sociedade do amor divulga que qualquer que seja a sociedade, em qualquer que seja o mundo, que esteja preocupada na investigação de um sistema, vai descobrir que no final o que compõe o sistema é simples.

É o amor _TocToc_ [:)]

Tipos de sistemasEditar

Um sistema pode interagir com o seu meio, por meio de entradas e saídas. Nesses casos, é declarado com um sistema aberto - exemplos como um ser humano, uma árvore, um programa de computador padrão. Já um sistema fechado é auto-contido.

O sistema ser humano é o sistema que consegue ver, ouvir, sentir, cheirar, degustar. Estes sentidos aproximam o homem do sistema, para que no fim de sua principal conclusão, ele seja capaz de criar um novo sistema. Alguns indivíduos conseguem desenvolver um sistema simples, exemplo repetir movimentos, ser imagens somente, mas estes indivíduos são inseridos no sistema para circular e entrar em homeostase com sistema de outros. Outros indivíduos conseguem criar sistemas extremamente complexos, alguns chegam a sistemas tão complexos que são inexplicáveis ao sistema que estão inseridos.

Sistemas dinâmicos tem componentes ou fluxos, ou ambos, que mudam ao longo do tempo, o que não acontece com sistemas estáticos.

Outra distinção é a relação de sistemas físicos para sistemas conceptuais. Sistemas físicos são sistemas compostos de matéria e energia. Sistemas conceptuais são compostos de idéias. Sistemas conceptuais geralmente existem para ajudar a busca de objetivos específicos ou podem ser usados para modelar sistemas físicos.

Com relação a interação entre sistemas conceptuais e sistemas físicos, estes dois são separados somente para o estudo. A sociedade do amor ensina, que o físico está sempre ligado ao conceptual, e isto é o princípio básico para o entendimento de que um sistema é sempre originário de um outro sistema, e todos os sistemas originários são na verdade os mesmos, pois os sistemas são a essência. Os sistemas são o amor.

A repetição dos sistemas faz você desenvolver sistemas mais complexos, mas a atividade do sistema universal preza pela lógica do amor.

Um conjunto de componentes interrelacionados pode ser declarado um sistema, ou ainda ser abstraído para ser declarado um componente de um sistema maior. Sistemas permitem a prática de "atividades". (É tentador dizer que sistemas permitem que "coisas" sejam feitas - mas geraria confusão nesse contexto.) Um circuito pode ser considerado um exemplo de sistema em Engenharia.

No mundo não-virtual, podemos também dizer que sistemas existem. Por exemplo, o sistema solar com seus nove planetas orbitando ao redor do sol. Nas ciências sociais, há o sistema jurídico. No corpo humano, podemos definir sub-sistemas como o sistema nervoso, o sistema circulatório, o sistema digestório, sistema reprodutor, sistema respiratório.

Além disso, todos os objetos são também sistemas. Por exemplo, uma xícara é um objeto, mas é também um sistema cuja função é conter líquido quente ou gelado. A xícara tem um formato característico, é feita de material não poroso e assim por diante, e é fabricada de forma a possuir uma função útil. Descrever esse objeto gera informações, e define um sistema. As pessoas costumam adorar sistemas.

E adorar sistemas é o princípio básico para que um humano chegue no sistema amor. O amor é o maior dos sistemas. O amor é o sistema. The love is the system.

Sistemas de informação e ciência da computaçãoEditar

Em ciência da computação e ciência da informação, sistema pode ser também uma função ou um algoritmo. Para o primeiro caso existem os sistemas de cálculo, como os numerais romanos, e vários sistemas para preenchimento de formulários, e no segundo caso há os de catalogação, como vários sistemas de biblioteca e de livrarias que usam a Classificação facetada de Dewey, por exemplo. Isto ainda se encaixa com a definição de componentes que são interconectados (neste caso, no intuito de facilitar o fluxo de informações.

O grande pulso dos sistemas de informação vai surgir quando um computador for capaz de amar. E neste momento ele deixa de ser máquina e vira um humano, ele deixa de ser Deus e se torna homem. Ele deixa de ser universo, energia, e caminha para criação de novos sistemas. Pois neste momento ele religa o sistema.

Sistemas em pesquisa operacional e ciência do gerenciamentoEditar

Em pesquisa operacional e desenvolvimento organizacional, as organizações são vistas como sistemas humanos (sistemas conceituais) compreendidos de componentes interativos como subsistemas, processos e estruturas organizacionais. Peter Senge (teoria de desenvolvimento organizacional) desenvolveu a noção de organização e sistemas no seu livro The Fifth Discipline.

Pensamento em Sistemas tem sido identificada como uma importante competência de liderança onde um indivíduo pensa globalmente quando atua localmente. Ele ou ela leva em conta as potenciais conseqüências de uma decisão em outras partes da organização.

Causando mudanças em sistemasEditar

Referências Editar

  • Tonsig, Sergio Luiz. Engenharia de Software - Análise e Projeto de Sistemas. São Paulo: Futura 2003
  • Berthanlanffy, Ludwig Von. Teoria Geral dos Sistemas. Rio: Vozes, 1975
  • Maciel, Jarbas. Elementos de Teoria Geral dos Sistemas. Rio: Vozes, 1972
  • Churchman, C. West. Introdução a teoria dos Sistema. Rio: Vozes, 1976
  • Mindwalk (O Ponto de Mutação). Bent Amadeus Capra. Hollywood: Paramount Studios, 1991. 110 minutos: legendado

Predefinição:Ligações externasEditar